top of page
  • Foto do escritorBeatriz Chiara

Another Chance At Life

Dorthy smiling in a birthday, photography sent by her


*O texto traduzido está disponível no fim da página


One February evening when I agreed to go to a night club with a man I had known since childhood, little did I know what fate held in store. I was a single mother of three, great children, two boys and a girl. I worked hard to keep them in school and to give them a place to live and something to eat. Two of my children, a boy and a girl, were aged fifteen and sixteen, and the youngest, a boy, was aged eight. The older two looked out for the youngest while I worked, and everything was great in our lives at that point.


I had dated Randy, that night’s date, several times in the past, and saw no reason not to have a few drinks with him. I had seen him a couple of weeks before, and he had seemed despondent. However, he was cheerful that night as we made our way to a nightclub called The Dance Factory.


Randy was a Vietnam veteran and had endured plenty of bad experiences during his service years. He was wounded in action when he stepped on a land mine. Unknown to me, he had also become addicted to street drugs when he came back to the states. We had a perfectly normal evening at the club. We had a couple of mixed drinks, and he gave me a small, red plastic sword that came with the drinks and said,” Keep this to remember me by.” Then he looked at his watch and said it was time to go, as it was getting late. I agreed, and when we left, he began to drive aimlessly for several miles.


At one point, he turned directly into the path of approaching car, and when I screamed, he returned to the right lane. Before I realized it, we were in another town, going down a street that crossed railroad tracks. I looked to my right and saw a train rumbling toward us. He said, “There’s the train. Do you think we can beat it?” I yelled, “No! Stop!” Instead of hitting the brake, he stepped on the gas. I tumbled out the door just before impact, and the last thing I remembered for a while was going into a soft, velvet darkness as I landed on the asphalt.

When I regained consciousness, several EMTs were around me. I was three feet from the railroad tracks. I found out later that the train had dragged Randy and his truck down the tracks several hundred yards. I asked about him, and someone said, “He is dead, but you’re still alive. We have to get you to the hospital.”


I was loaded into an ambulance that had no springs, and every bump was agony to me. At the hospital they found I had battery acid in my eyes which made me blind for about a month. My hip and pelvis were broken, and my left arm was crushed. I had a four-inch cut in my head and a concussion. I had traction on my arm to stop the pain.


Meanwhile, my mother and children had been contacted and were very frightened and worried. My children stayed with my mother until she decided they were able to stay at home alone and be safe. It was not a fun time for anyone. Thankfully, the children received survivors’ benefits from their deceased father, and there was no worry about money.

At the hospital the doctor said hopefully, he could repair my left arm with surgery, but if he could not, it would have to be removed at the elbow.


I replied that I would take that risk. He told me later that he had barely enough bone to attach a titanium plate that would hold my arm together. I wore a removable cast for six months and endured many trips to the doctor’s office for x-rays to see if the arm was healing right. They turned it in several directions to get a good picture, and the pain was terrible. I had to use a cane for almost a year, but the doctors at the hospital did a good job cleaning the battery acid from my eyes, and I was finally able to see well. My left arm ended up being an inch shorter than my right, and I have a four-inch scar from that ordeal. It was a miracle that I lived through that tragedy. I was told every bone in Randy’s body was broken. His parents were devastated. They visited me at the hospital, and his mother could not stop weeping. I do not believe they ever knew Randy used drugs. I found out from my brother that the drug, LSD was a favorite for Randy. I wish my brother had told me before it was too late.


I have always thought Randy decided to kill himself, and he did not want to go alone. A few weeks before the incident he told me he did not have anything to live for. I didn’t think much about that statement. It never occurred to me that he was serious. In those days there were not many services to help returning veterans of the war. If there had been, Randy’s and my life might have had a different outcome. For a long time, I was very angry about what had happened. I was thirty-two years old and had my life ahead of me. I do not understand how a person I trusted could do such a thing. It was lucky that my children did not become orphans, having to face the cold world without a mother.


It took over a year for my bones to heal, but I had a loving family who helped and guided me every step of the way. I am deeply thankful to the doctors and nurses who cared for me during my darkest hours. I was able to see my children grow up and live their own lives. Although regaining my health and strength was a challenge, somehow, I have been able to live the wonderful life I have always dreamed of.


Outra chance na vida

Numa noite de fevereiro, quando concordei em ir a uma boate com um rapaz que conhecia desde a infância, mal sabia eu o que o destino me reservava. Eu era mãe solteira de três filhos, ótimos filhos, dois meninos e uma menina. Trabalhei muito para mantê-los na escola e dar-lhes um lugar para morar e algo para comer. Dois dos meus filhos, um menino e uma menina, tinham quinze e dezesseis anos, e o mais novo, um menino, tinha oito anos. Os dois mais velhos cuidavam dos mais novos enquanto eu trabalhava, e tudo estava ótimo em nossas vidas naquela época.


Havia saído com o Randy, encontros como o daquela noite, várias vezes no passado, e não via razão para não tomar alguns drinks com ele. Eu o tinha visto algumas semanas antes e ele parecia desanimado. No entanto, ele estava alegre naquela noite enquanto íamos para uma boate chamada The Dance Factory (a fábrica da dança). Randy era um veterano da guerra do Vietnã e passou por muitas experiências ruins durante seus anos de serviço. Ele viveu uma explosão em combate quando pisou em uma mina terrestre. Sem que eu soubesse, ele também se tornou viciado em drogas ilícitas quando voltou para os Estados Unidos. Tivemos uma noite perfeitamente normal na boate.


Tomamos algumas bebidas mistas e ele me deu uma pequena espada de plástico vermelha que veio com as bebidas e disse: “Guarde isso para lembrar de mim”. Então ele olhou para o relógio e disse que era hora de ir, pois já estava ficando tarde. Concordei e, quando saímos, ele começou a dirigir sem rumo por vários quilômetros. A certa altura, ele virou diretamente na direção do carro que se aproximava e, quando gritei, ele voltou para a faixa da direita. Antes que eu percebesse, estávamos em outra cidade, descendo uma rua que atravessava trilhos de trem. Olhei para a direita e vi um trem vindo em nossa direção. Ele disse: “Lá está o trem. Você acha que podemos vencê-lo? Eu gritei: “Não! PARA!" Em vez de pisar no freio, ele pisou no acelerador.


Me joguei pela porta pouco antes do impacto, e a última coisa de que me lembre i por um tempo foi de ter entrado em uma escuridão suave e aveludada quando aterrissei no asfalto.

Ao recuperar a consciência, vários paramédicos estavam ao meu redor. Eu estava a um metro dos trilhos da ferrovia. Descobri mais tarde que o trem arrastou Randy e sua picape pelos trilhos por centenas de metros. Perguntei sobre ele e alguém disse: “Ele está morto, mas você ainda está viva. Temos que levar você ao hospital. Fui colocada em uma ambulância sem molas, e cada solavanco era uma agonia para mim. No hospital descobriram que eu tinha ácido de bateria de carros nos olhos, o que me deixou cego durante cerca de um mês. Meu quadril e pélvis estavam quebrados e meu braço esquerdo foi esmagado. Tive um corte de dez centímetros na cabeça e uma concussão. Meu braço foi tracionado para findar a dor.


Entretanto, a minha mãe e os meus filhos foram contactados e ficaram muito assustados e preocupados. Meus filhos ficaram com minha mãe até que ela decidiu que eles poderiam ficar sozinhos em casa e em segurança. Não foi um momento divertido para ninguém. Felizmente, as crianças receberam benefícios de sobrevivência do falecido pai e não houve preocupação com dinheiro.


No hospital, o médico disse esperançosamente que ele poderia reparar meu braço esquerdo com cirurgia, mas se não ocorresse como planejado, teria que amputar o antebraço até o cotovelo. Respondi que correria esse risco. Ele me disse mais tarde que mal tinha osso suficiente para prender uma placa de titânio que manteria meu braço unido. Usei uma tala removível por seis meses e aguentei muitas idas ao consultório médico para fazer radiografias para ver se o braço estava cicatrizando bem. Eles o viraram em várias direções para conseguir uma boa imagem, e a dor era terrível. Tive que usar uma bengala durante quase um ano, mas os médicos do hospital fizeram um bom trabalho limpando o ácido da bateria de carro dos meus olhos e finalmente consegui enxergar bem.


Meu braço esquerdo acabou sendo alguns centímetros mais curto que o direito e tenho uma cicatriz de dez centímetros dessa provação. Foi um milagre ter sobrevivido a essa tragédia. Disseram-me que todos os ossos do corpo de Randy estavam quebrados. Seus pais ficaram arrasados. Eles me visitaram no hospital e a mãe dele não parava de chorar. Não creio que eles soubessem que Randy usava drogas. Descobri pelo meu irmão que a droga LSD era a favorita de Randy. Eu gostaria que meu irmão tivesse me contado antes que fosse tarde demais.


Sempre pensei que Randy decidiu se matar e não queria ir sozinho. Algumas semanas antes do incidente, ele me disse que não tinha motivo para viver. Não pensei muito sobre essa afirmação. Nunca me ocorreu que ele estava falando sério. Naquela época, não havia muitos serviços para ajudar os veteranos de guerra que retornavam. Se houvesse, a vida de Randy e a minha poderiam ter tido um resultado diferente.


Por muito tempo fiquei muito zangada com o que havia acontecido. Eu tinha trinta e dois anos e uma vida pela frente. Não entendo como uma pessoa em quem confiei poderia fazer uma coisa dessas. Foi uma sorte meus filhos não terem ficado órfãos, tendo que enfrentar a frieza do mundo sem mãe.


Demorou mais de um ano para meus ossos sararem, mas tive uma família amorosa que me ajudou e me orientou em cada passo do caminho. Estou profundamente grata aos médicos e enfermeiros que cuidaram de mim durante meus momentos mais sombrios.

Pude ver meus filhos crescerem e viverem suas próprias vidas. Embora recuperar a saúde e as forças tenha sido um desafio, de alguma forma consegui viver a vida maravilhosa com que sempre sonhei.


Escritora: Dorthy L. McCarthy

País: Estados Unidos




3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page